Politica

Maioria dos deputados federais de Mato Grosso vota favorável a PEC do voto impresso e acabam derrotados

Para ser aprovada, a PEC precisava de, no mínimo, 308 votos. No entanto, o texto teve o apoio de apenas 229 deputados.

11/08/2021 12h14 | Atualizada em 11/08/2021 12h18

Pelo menos 5 deputados da bancada federal de Mato Grosso acabaram "amargando" a derrota do governo Bolsonaro ao votarem favoráveis ao voto impresso, na noite desta terça-feira (10). A proposta de emenda à Constituição (PEC) que previa a realização de eleições por meio de um sistema auditável foi rejeitado e arquivado com 218 votos contrários.

Para ser aprovada, a PEC precisava de, no mínimo, 308 votos. No entanto, o texto teve o apoio de apenas 229 deputados. O resultado representa uma derrota para o presidente Jair Bolsonaro, defensor da ideia.

Em Mato Grosso, votaram favoráveis os deputados Emanuel Pinheiro Neto (PTB), José Medeiros (DEM), Juarez Costa (MDB), Nelson Barbudo (PSL) e Neri Geller (PP). A única novidade no quadro foi Juarez, que até então, não havia se manifestado sobre o tema. O deputado Dr. Leonardo (SD), que também era simpático ao tema, não pôde participar da votação por estar de licença médica.

Dos representantes do Estado, os únicos contrários foram a deputada Rosa Neide (PT) e o deputado Valtenir Pereira (MDB), que na semana passada já havia votado contra a proposta durante a Comissão Especial.

A proposta rejeitada, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), determinava a impressão de “cédulas físicas conferíveis pelo eleitor” independentemente do meio empregado para o registro dos votos em eleições, plebiscitos e referendos. A votação desta terça-feira é a terceira derrota do voto impresso na Câmara, já que o tema foi rejeitado em duas votações na comissão especial na semana passada.

FONTE: Redação de Jornalismo da Eldorado FM

PUBLICIDADE