Curiosidades

Casos de chikungunya e de dengue já mataram 22 pessoas neste ano de 2024 em cidades de Mato Grosso

O vírus transmitido pelo Aedes, tem 04 sorotipos, denominados Denv-1, Denv-2, Denv-3 e Denv-4 diferenciados por variantes

11/06/2024 14h30 | Atualizada em 19/06/2024 13h14

PUBLICIDADE

Dados atualizados da Secretaria de Estado de Saúde mostram, que somente nos cinco primeiros meses deste ano, o Estado registrou 35.862 casos prováveis e 18 mortes em decorrência da dengue. No mesmo período, também ocorreram 11.882 casos e quatro óbitos por chikungunya. O novo boletim epidemiológico da SES-MT aponta ainda que 12 cidades registraram vítimas fatais.

No caso da dengue, os óbitos ocorreram em Cuiabá (4), Tangará da Serra (3), Pontes e Lacerda (2), Primavera do Leste (2), Alto Garças, Aripuanã, Campos de Júlio, Confresa, Jauru, Matupá e São José do Povo – estes sete últimos com uma ocorrência cada.Comparado a 2023, quando foram registrados 22.368 casos prováveis de dengue, houve um aumento de 60% nas notificações da enfermidade no território mato-grossense.

O vírus, transmitido pela picada do Aedes, tem quatro sorotipos, denominados Denv-1, Denv-2, Denv-3 e Denv-4, diferenciados por variações genéticas.Mas, os quados se manifestam clinicamente de forma semelhante, podendo causar infecções assintomáticas, leves, graves e até óbitos. No Estado, o 1 e o 2 estão em circulação no momento.

Ainda conforme o boletim da SES-MT, as mortes por chikungunya foram verificados em Tangará da Serra (3) e em São José do Rio Claro (1). Em relação à zika, são 451 casos prováveis até o momento, sem nenhuma morte.Para tentar conter o avanço da dengue, em abril passado, o Ministério da Saúde enviou as primeiras doses da vacina contra a doença.

Na ocasião, foram contemplados municípios como Cuiabá e Várzea Grande, Chapada dos Guimarães, Santo Antônio de Leverger, Tangará da Serra, Sinop, Sorriso e Lucas do Rio Verde. O público prioritário incluído nesta fase da vacinação é de crianças entre 10 e 14 anos. A definição do público-alvo e das regiões prioritárias para a imunização foi necessária, em razão da capacidade limitada de fornecimento de doses pelo laboratório fabricante do imunizante.

O esquema vacinal será composto por duas doses, com intervalo de três meses entre elas. Contudo, o controle do Aedes aegypti ainda é a melhor estratégia para evitar a transmissão de dengue, a chikungunya e zika vírus. A orientação é que, pelo uma vez por semana, vistorie sua casa e seu ambiente de trabalho e elimine locais com água parada.

FONTE: Redação de Jornalismo da Eldorado FM

PUBLICIDADE