MEIO AMBIENTE

Agricultores, ambientalistas e indígenas reflorestam fazendas em MT

Projeto do Instituto Socioambiental reúne grupo para recompor matas em região dominada pela soja.

17/06/2019 09h04 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Agricultores, ambientalistas e indígenas reflorestam fazendas em MT

Ilustrativa

PUBLICIDADE

Em Mato Grosso, a recuperação das matas ciliares de fazendas de soja é feita por meio de um projeto ambiental que conta com o esforço conjunto de agricultores, ambientalistas e índios. É uma parceria entre a agricultura moderna e o conhecimento tradicional indígena.

Muita gente no estado quer que a natureza volte a ficar mais parecida com ela mesma. Higor Trovo é uma dessas pessoas. Há 10 anos, quando tinha 16, ele foi entrevistado pelo Globo Rural. Tinha feito um projeto e, com a ajuda da escola, reflorestava as margens do rio Queixada, que passava na fazenda do pai dele.

"Criamos uma proteção para os animais e também para a nascente, que é um dos afluentes do Xingu. Vamos proteger a água, que é uma riqueza que nós temos e que a cada dia que passa está se tornando escassa", diz Higor. "Se isso acabar, a gente acaba junto."

Para reflorestar a área, Higor e seu pai receberam ajuda do Instituto Socioambiental (ISA), que desde 1994 atua no Brasil. Na propriedade deles, foram plantados 4 hectares de matas ciliares em torno de uma das nascentes do rio Xingu. Existem outras 22 mil nascentes espalhadas pela bacia.

A lei de preservação das matas ciliares ao longo de rios e cursos d’água existe há 40 anos. Mas ela em sempre foi cumprida e, agora, muitos produtores rurais começam a replantar áreas desmatadas ilegalmente.

É um trabalho de formiga. O ISA, em parceria com produtores rurais, organizações de ensino, de pesquisa, pequenos e médios agricultores, indígenas e poder público, conseguiu reflorestar, em 12 anos de trabalho, uma área de 4 mil hectares. Não é nem 2% dos mais de 300 mil hectares de matas ciliares que precisam ser reflorestados na bacia do Xingu.

O instituto refloresta, em média, 150 hectares por ano. "Em vista do que acontece no Brasil, é muito pouco devido ao passivo que se tem", diz Heber Alves, coordenador do ISA Canarana.

Uma floresta demora muito tempo para virar floresta. Em uma fazenda em Vera Cruz do Xingu, no município de Canarana, na terra semeada há um ano há pequenos pés de ipê e paineira, que vão se transformar em grandes árvores, e sementes que ainda nem brotaram.

FONTE: 24 Horas News

PUBLICIDADE