PUBLICIDADE Supermercado Vendão
GOVERNO BOLSONARO

Candidata de Bolsonaro no RS repassou verba pública para filha, neta e própria loja

Carmen Flores obteve 1,5 milhão de votos para o Senado, mas não foi eleita.

22/02/2019 11h07 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Candidata de Bolsonaro no RS repassou verba pública para filha, neta e própria loja

Reprodução

Empresária que se apresentava como "candidata de Bolsonaro" na disputa por uma vaga ao Senado pelo Rio Grande do Sul, Carmen Flores fez repasses de verba pública de campanha do PSL para a filha, a neta e a própria loja. Os pagamentos aparecem em sua prestação de contas à Justiça Eleitoral.

Carmen era a presidente do partido no estado e se desfiliou da sigla em dezembro passado. A candidata obteve 1,5 milhão de votos, mas não foi eleita. Quarta colocada, ficou atrás de Luiz Carlos Heinze (PP) e Paulo Paim (PT), eleitos para as duas vagas, e Beto Albuquerque (PSB), o terceiro.

Ela recebeu R$ 200 mil da direção nacional do PSL, valor proveniente do fundo partidário, dinheiro público para financiar as legendas e as campanhas eleitorais. Parte desse montante foi parar nas contas de familiares.

Questionada pela Folha sobre o motivo dos pagamentos à filha e à neta, a candidata respondeu, sem detalhar: “Quem sabe elas trabalharam?”.

“Não entrei para ganhar o Senado, mas para dar 28 segundos [na TV] para o Bolsonaro. Ele não tinha horário político, eu não tinha intenção de me eleger, em nenhum momento”, disse.

A filha, Maribel Lopes, por exemplo, recebeu R$ 40 mil pelo aluguel de seis meses de um imóvel com o mesmo endereço da loja de móveis da mãe, em Porto Alegre. Ao lado, funcionou a sede do PSL durante a campanha, local agora vazio. Antes, o endereço do PSL era o apartamento residencial da candidata.

Já a neta da candidata recebeu R$ 1.155,45 para fazer panfletagem na rua, de acordo com os recibos.

Por meio de seu advogado, Lucas Ceccacci, respondeu que suas contas ainda não foram julgadas pelo Tribunal Regional Eleitoral e que toda a movimentação financeira foi registrada e tem origem. Sobre o pagamento a familiares, disse que “não há ilegalidades nas contratações”.

Resolução 23.553, do TSE, que regulou a arrecadação e aplicação dos recursos da eleição de 2018, não trata sobre a possível ilegalidade da contratação de parentes. A Justiça Eleitoral pode entender como ilegal se, ao julgarem as contas, constatarem que os serviços não foram prestados, por exemplo, como gráficas de fachada.

Carmen recebeu R$ 200 mil do diretório nacional do PSL para a candidatura, mas que “trabalhou para Bolsonaro”. “Eu não sabia o que era PSL, eu era Bolsonaro. Sempre admirei a causa Bolsonaro. O ministro Onyx Lorenzoni e o presidente, na época deputado [Bolsonaro], jogaram no meu colo em 20 de março a presidência do partido”, falou.

MÓVEIS

Além do aluguel, a verba pública da campanha também serviu para mobiliar a sede. Os móveis foram comprados na própria loja da candidata. Foram R$ 34 mil em mesas e cadeiras.

As notas fiscais mostram que os móveis não teriam saído da loja vizinha da sede, mas de uma loja da rede “Carmen Flores” em Xangri-lá, no litoral gaúcho. 

“Os móveis são do partido. Vão pegar todos os móveis [de volta], mas estamos sem sede ainda”, disse o deputado federal Bibo Nunes (PSL-RS) à Folha. O parlamentar gravou um vídeo, divulgado nas redes sociais, no qual critica a ex-colega de legenda.

Questionado sobre o uso do fundo partidário para comprar bens para o PSL, disse que considerava “tudo legal”. O que seria incorreto, segundo ele, seria a compra na loja da então presidente do partido, “sem licitação”.

A prestação de contas da candidata ao Senado também mostra que a maior despesa da campanha foi para Roselvane Nascimento, que recebeu R$ 95,1 mil. Segundo Nunes, Roselvane trabalhava como secretária do PSL. A reportagem tentou contato por telefone, mas foi informada de que ela estava em viagem.

Segundo o deputado Nunes, em setembro passado ele informou a Gustavo Bebianno, que presidia o PSL nacional, sobre o modo como Carmen conduzia o partido gaúcho. “Eu não era candidato ainda. Quando relatei os problemas, ele disse que, se eu continuasse contra a Carmen, poderia ficar sem legenda para concorrer. Me ameaçou”, disse à reportagem.

Procurado, o PSL nacional não se manifestou sobre a suposta denúncia de irregularidades feita por Nunes.

Hoje sem partido, Carmen afirmou em entrevistas que se filiaria à sigla do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que coordenou a campanha de Bolsonaro no Rio Grande do Sul. Ela é empresária há mais de 40 anos e também fez fama na TV, gravando comerciais.

DEPÓSITOS SEQUENCIAIS

Carmen também fez depósitos sequenciais em dinheiro na sua conta de campanha e depois sacou a soma das quantias depositadas. No total, foram 76 depósitos em espécie (sessenta com o próprio CPF) nos dias 30 e 31 de outubro e 1º de novembro, após o fim do segundo turno. Os depósitos foram revelados pela GaúchaZH e confirmados pela Folha.

Ela arrecadou R$ 335,6 mil. Além do fundo partidário (R$ 200 mil), ela foi a segunda maior doadora da própria campanha, com R$ 59,6 mil. Os depósitos em espécie somaram R$ 75,6 mil.

A diferença entre o total depositado pela candidata (R$ 59,6 mil) e a soma dos depósitos em espécie (R$ 75,6 mil) durante os três dias é resultado de outros 16 depósitos feitos por uma terceira pessoa (sessenta pela candidata e dezesseis por um terceiro).

Uma série de reportagens da Folha revelou a existência de um esquema de candidaturas laranjas do PSL para desviar verba pública eleitoral. A campanha de Bolsonaro foi marcada por um discurso de ética e de combate à corrupção. Agora, os laranjas estão na mira de Polícia Federal e Ministério Público.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE