PUBLICIDADE Supermercado Vendão
JUSTIÇA ELEITORAL

MP vê indícios de gastos ilícitos de campanha e pede quebra de sigilo bancário de deputada eleita com maior número de votos em MT

Conforme a representação, há suspeitas de arrecadação e gastos ilícitos de recursos durante a campanha eleitoral de Janaína Riva (MDB).

11/01/2019 11h55 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

MP vê indícios de gastos ilícitos de campanha e pede quebra de sigilo bancário de deputada eleita com maior número de votos em MT

JLSIQUEIRA / ALMT

O Ministério Público Eleitoral ingressou com uma representação contra a deputada Janaína Riva (MDB) após indícios de irregularidades na campanha eleitoral de 2018. Janaína foi reeleita para o cargo, com maior número de votos entre os 24 eleitos para ocupar vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

A defesa da parlamentar diz, em nota emitida nesta quinta-feira (10), que se tratam de meras deduções e que julgamento das contas de campanha da deputada sequer foi finalizado pela Justiça Eleitoral.

Conforme a representação protocolada na segunda-feira (7), há suspeitas de arrecadação e gastos ilícitos de recursos durante a campanha eleitoral.

Para continuar a investigação, a Procuradoria Regional Eleitoral solicitou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) a quebra do sigilo bancário das contas de campanha da candidata e dos mais importantes fornecedores e pessoas envolvidas nas irregularidades de campanha.

A quebra de sigilo é necessária, de acordo com o procurador Pedro Melo Pouchain Ribeiro, para obter detalhes da movimentação financeira correspondente ao período de campanha, em especial dos fornecedores e pessoas envolvidas diretamente com os atos de campanha omitidos, fretamento de voos, aquisição de combustíveis, locação de veículos, prestadores de serviços contratados e beneficiários de abastecimentos.

Conforme o órgão, ela declarou na prestação de contas de campanha ter recebido R$ 969.379,20 em doações e gastado R$ 950.408,31, chegando a 95,04% do limite de gastos da campanha de deputado estadual, que é de R$ 1 milhão.

Dos recursos arrecadados, R$ 610.708,90, que corresponde a 63%, tem origem do Fundo Especial de Financiamento de Campanha – FEFC, enquanto R$ 155.100,67, equivalente 16% do total, decorreu do Fundo Partidário – FP. Somando esses valores, concluiu-se que foram utilizados R$ 765.809,57 na campanha, o que correspondeu a 79% de todos os recursos arrecadados.

São apontadas irregularidades nas despesas de campanha da parlamentar e indícios de omissão de informações de relevante número de pessoas que aparentemente desempenharam, de modo coordenado, direto e ininterrupto, atos de campanha em favor da deputada.

Segundo o MP, houve omissão de cabos eleitorais que não constam na declaração e que foram identificados por listagem de passageiros de voos fretados; de pessoas que trabalharam no comitê de campanha e que receberam refeição; dos condutores de veículos informados pelos fornecedores; das pessoas que realizaram abastecimento de veículos alugados e, por fim, de pessoas que receberam alta quantidade de material gráfico material de campanha no interior que divergem da listagem apresentada pela candidata em sua justificativa.

“Frise-se, ainda, que a soma de todas as despesas e/ou receitas omitidas pela representada, àqueles valores voluntariamente declarados, tem o potencial de exceder o limite de gastos de R$ 1 milhão, fixado pelo art. 6º, inciso II, da Res. TSE nº 23.553/2017”, conforme a representação do MPF.

FONTE: G1 MT

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE