SEGURANÇA

Operação integrada das polícias liberta refém de fazenda invadida em Confresa

Equipes das polícias estiveram no local e libertaram o funcionário.

Eldorado.fm

Redação

12/03/2017 12h51 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Operação integrada das polícias liberta refém de fazenda invadida em Confresa

Foto: PJC/Vila Rica

Na sexta-feira (10/03) a Polícia Civil de Confresa recebeu denúncia de que vários homens armados invadiram parte da Fazenda Alto do Rio Preto no município de Confresa (105 km de Vila Rica) e mantiveram o caseiro em cárcere privado como refém.

A Delegacia Regional acionou as equipes GARRA (Grupo Armado de Resposta Rápida), sob a coordenação do Delegado Gutemberg Lucena para operação de resgate. Em operação integrada, as equipes GARRA (PJC) e Força Tática (PM) estiveram no local e libertaram o funcionário da fazenda. As equipes avançaram até a sede onde, segundo a polícia, foram recebidos a tiros. A polícia respondeu ao ataque e houve troca de tiros, tendo os invasores evadidos pela região de mata.

Na sequência foram realizadas novas diligências pelas equipes no sábado com aproximadamente quarenta policiais das duas forças, as buscas pelos suspeitos continuam, já tendo sido identificados alguns deles.

As forças de segurança integradas, sob orientação e comando do Delegado Regional Dr. Marcos Leão e do Comandante Ten Cel PM Outo, tem mantido um padrão de controle da criminalidade na região Araguaia-Xingu

O coordenador do GARRA, Delegado Gutemberg de Lucena conversou com a reportagem do site www.eldorado.fm e Rádio Comunitária Eldorado FM sobre a operação:  "Felizmente no confronto nem a vítima e nenhum dos policiais se feriram e a ação foi bem sucedida, já que o objetivo da atuação das equipes especializadas era garantir a integridade física do refém. O trabalho mostrou que as forças de segurança integradas, sob orientação e comando do Delegado Regional Dr. Marcos Leão e do Comandante Ten Cel PM Outo, tem mantido um padrão de controle da criminalidade na região Araguaia-Xingu, com dezenas de operações realizadas ao longo dos meses".

As investigações agora seguem sob a reponsabilidade da Delegacia de Polícia de Confresa.

PUBLICIDADE