PUBLICIDADE
Policia

Polícia identifica homem que matou mãe e estuprou menina de 11 anos em Barra do Garças

A Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, confirmou na manhã desta quinta-feira (26), já ter a identificação e o mandado de prisão contra o suspeito de cometer estupro seguido de assassinato

26/11/2020 13h16 | Atualizada em 28/11/2020 11h03 1 comentario

A Polícia Civil, através da delegada Luciana Canaverde, da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, confirmou na manhã desta quinta-feira (26), já ter a identificação e o mandado de prisão contra o suspeito de cometer estupro seguido de assassinato de uma mulher de 30 anos e o estupro da filha dela, uma menina de 11 anos, em Barra do Garças na última segunda-feira (23).

A confirmação surgiu depois de áudios da família da vítima terem vazado em grupos de WhatsApp na noite de quarta-feira (25). Segundo o conteúdo dos áudios, amigas e conhecidas da mulher, comemoravam a identificação do autor do crime, afirmando que, na noite do crime, ele estaria hospedado em uma casa vizinha da vítima.

No que se refere ao caso, a Dr. Luciana confirma que o suspeito frequentava a vizinhança onde as vítimas moravam, porém, a divulgação que está sendo passada nas redes, afirmando que ele seria namorado de uma das amigas da vítima, não procede. A delegada salienta que o homem possui passagem criminal.

Em relação aos vazamentos de informações, a delegada afirma que grande parte do que está sendo divulgado é verdadeiro, porém salienta que todas as informações que circulam na internet atrapalham a investigação, expõem as vítimas, e até mesmo dificulta na captura do criminoso.

“Essa questão de ficar divulgando informações em grupos de WhatsApp atrapalha o trabalho da polícia, além de colocar em risco vidas. Quando você nomina testemunhas, quando é apontado determinada pessoa, como havendo colaborado ou como identificado, você coloca a vida desta pessoa em risco, explica.

A delegada ainda afirma que o compartilhamento dessas informações proporciona revitimização das vítimas – uma repetição da situação - desde a criança que sofreu o crime além de todo seu contexto familiar.

O laudo de necropsia, até o momento, não foi concluído, desta forma ainda não foi confirmada a causa da morte da vítima. “As investigações preliminares indicam duplo estupro sendo um deles seguido de morte, mas a confirmação mesmo só iremos saber com o laudo do perito”, conclui a delegada.

Detalhes sobre o caso

Uma mulher de 30 anos foi encontrada morta e amarrada dentro de casa, e a filha de 11 anos, foi encontrada também amarrada, em estado de choque. O crime aconteceu na madrugada de segunda-feira (23), em Barra do Garças.

Segundo a criança, a casa foi invadida por um homem desconhecido, alto, branco e barbudo, que invadiu a casa da família e em posse de uma faca, fez ameaças. A menina foi amarrada e levada para o quarto, onde foi estuprada. A mãe dela, foi encontrada no quarto, deitada com a barriga para o chão, amordaçada e com os pés e a cabeça amarradas.

Segundo informações da Polícia Militar, uma amiga sentiu falta da vítima e foi até a sua casa. Chegando no local, encontrou o portão trancado e mesmo chamando pelo seu nome, ninguém aparecia. Uma testemunha que estava com ela pulou o muro, entrou na casa e já encontrou a mulher amarrada e sem vida. Caso continua em investigação pela Polícia Civil, que dará mais informações após capturarem o acusado identificado.

FONTE: Radio Eldorado FM 87,9 com Semana7

1 COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE