PUBLICIDADE
ORÇAMENTO

"Malandros do Congresso querem R$ 30 bilhões em ano eleitoral"

Senadora pede que eleitores cobrem congressistas para manter o veto do presidente da República.

22/02/2020 10h22 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00 1 comentario

Reprodução

A senadora Selma Arruda (Podemos) classificou como “malandros” os congressistas que estão se movimentando para derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) quanto ao orçamento impositivo, que destina R$ 30,6 bilhões para emendas.

O dispositivo estava previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020, aprovada no Congresso no ano passado. Nele, o Governo Federal seria obrigado a empenhar emendas parlamentares individuais e de bancadas.

O veto, segundo a senadora, será colocado em votação na primeira semana de março, logo após o recesso de Carnaval.

“O Congresso Nacional vai gastar esse dinheiro como quiser. Distribuir para seus currais eleitorais, para aqueles apaniguados que querem em ano de eleição usar esse dinheiro para se reeleger ou para eleger aqueles que os apoiam. Não vamos deixar isso acontecer”.

“O nosso déficit total do Estado é de R$ 40 bilhões. Vai ter que pegar dinheiro emprestado para dar R$ 30 bilhões para esses malandros distribuírem como quiserem em ano de eleição. Isso serve para comprar voto, para fazer ‘rachadinha’, para dar 30% de comissão para aqueles malandros que gostam de comissão com isso, [para financiar] todo o sistema corrupto contra o qual nós tanto brigamos”, disse a senadora.

A declaração foi dada em vídeo e encaminhado a imprensa na manhã desta sexta-feira (21).

A senadora ainda lembrou que esse dispositivo é novo na lei orçamentária e por isso não deve ser aprovado.

“Só nesse ano, que é um ano que as pessoas estão com raiva só do PT, mas estão esquecendo que há vários partidos corruptos nesse Brasil, vocês estão prestes a serem enganados com R$ 30 bilhões”, disse.

Atrito 

A senadora ainda lembrou que o caso está gerando atrito entre Palácio do Planalto e Congresso Nacional. 

Nesta semana, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, o general Augusto Heleno, classificou como “chantagem” a pressão dos congressistas. 

"Nós não podemos aceitar esses caras chantagearem a gente o tempo todo. Foda-se!", disse o militar da reserva.

“Essa semana o General Heleno até desabafou, falou um palavrão. Nós sabemos que o Congresso está aqui para fazer lei, para fiscalizar a aplicação das leis, e não para administrar dinheiro público”, disse. 

FONTE: SEMANA 7

1 COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  1. E coloca malandro nisso; eu diria até bandidos.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE