PUBLICIDADE Supermercado Vendão
REIVINDICAÇÃO

Sintep/MT aponta desrespeito com Concurso Público

O presidente do Sintep/MT, relatou que o documento do governo apresenta a entrega de um balanço das vagas para o dia 15 de junho.

12/06/2019 10h30 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Sintep/MT aponta desrespeito com Concurso Público

Reprodução

Passados cinco meses do início do ano letivo a informatização do cadastro de pessoal no governo do estado não deu conta de informar a quantidade de profissionais contratados na rede estadual, que ocupam vagas livres. Os números são fundamentais para o prosseguimento da convocação dos aprovados, no Concurso de 2017. Reivindicação que integra a pauta do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), e foi motivo de reunião nesta terça-feira (11.06) com profissionais concursados que buscaram o sindicato.

O presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, relatou que o documento do governo apresenta a entrega de um balanço das vagas para o dia 15 de junho. Contudo, esclareceu que isso não significa que haverá convocação. Segundo Valdeir, a Lei de Responsabilidade Fiscal tem sido usada como blindagem da gestão Mauro Mendes para descumprir as demais leis. “O governo insiste na manobra do limite prudencial para justificar inviabilidade orçamentária, mesmo que a efetivação nas vagas de contratados não impactar na folha”, argumenta Valdeir.

O diretor de redes municipais, Henrique Lopes, também presente na reunião com a comissão de concursados, esclareceu que é a defesa histórica do Sintep/MT é pelo Concurso Público, pois profissionais efetivos implica em qualidade na educação pública. Mas ressaltou que a luta não será nada fácil num contexto político e social do país, que implementou uma Reforma Trabalhista e uma Lei de Terceirização que resultam no fim dos Concursos e dos profissionais efetivos. “É preciso fazer uma análise do cenário posto para sabermos o tamanho dos desafios”, disse Lopes.

A resistência tem sido a palavra de ordem do Sintep/MT diante das tentativas de desmonte e, segundo os dirigentes, independente das atitudes dos governos, a luta do sindicato será para que as convocações atendam a todas as vagas livres existentes. “O Sintep/MT está com mandados de segurança protocolados aguardando os resultados, pode ser que não tenhamos respostas rápidas, mas não estamos parados”, concluiu o presidente. 

FONTE: Assessoria/Sintep-MT

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE