PUBLICIDADE Supermercado Vendão
BRIGADISTAS

Indígenas são treinados para combater incêndio no Parque do Xingu

Depois de treinamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), 62 indígenas foram contratados como brigadistas para atuar nas áreas do parque.

14/05/2018 16h42 89 acessos

Indígenas são treinados para combater incêndio no Parque do Xingu

Sandro Benevides/ Ibama

PUBLICIDADE Skynet

Indios do Parque Nacional do Xingu passaram por um treinamento de combate a incêndio em Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá. O treinamento foi dado entre abril e maio pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

Ao final do curso, 62 deles foram contratados para trabalhar como brigadistas. Eles vão atuar nas brigadas de incêndio.

A escolha dos profissionais é feita com base no desempenho durante o curso. São realizadas duas provas para testar a aptidão física e a habilidade na utilização de ferramenta agrícola.

De acordo com o analista ambiental Yougo Marcelo Miyakawa, do Ibama, os indígenas aprendem a identificar e a se portar diante de um incêndio, assim como a classificar os tipos de incêndio, os meios de combate, os equipamentos necessários e noções de primeiros- socorros.

“Os indígenas aprendem tudo o que é necessário para identificar e combater um incêndio. Além disso, são ensinadas ações de prevenção a incêndio, construção de aceiros, monitoramento e ações de educação ambiental nas comunidades indígenas”, contou.

O primeiro treinamento foi dado entre os dias 23 e 27 de abril, no baixo Xingu, e o segundo entre 30 de abril e 4 de maio, no alto Xingu. Em cada região, a capacitação tem duração de cinco dias.

O Ibama criou o programa de brigadas indígenas federais no Parque Indígena do Xingu em 2012.

“Desde então, todo ano o Ibama promove cursos de capacitação para brigadistas de combate a incêndios florestais e contrata por seis meses os indígenas como brigadistas”, explicou.

Conforme o analista, o curso tem o objetivo de associar o uso do fogo como ferramenta de conservação do ambiente natural.

“Nesse treinamento tem a aplicação do conhecimento tradicional deles quanto a floração e frutificação em períodos de seca e chuvas, incidência de animais para a caça, etc”, disse.

FONTE: G1 MT

PUBLICIDADE

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE