PUBLICIDADE Supermercado Vendão
QUERÊNCIA

Seca e altas temperaturas castigam lavouras de milho safrinha cultivadas fora da janela

Por conta da falta de chuvas, os produtores rurais seguem preocupados com as lavouras de milho safrinha na região de Querência.

10/05/2018 09h36 | Atualizada em 10/05/2018 09h42 243 acessos

Seca e altas temperaturas castigam lavouras de milho safrinha cultivadas fora da janela

Reprodução

PUBLICIDADE Skynet

Cerca de 60% da produção foi semeada fora da janela e sofrem com a seca de mais de 15 dias. Perspectiva é de queda no rendimento das lavouras nesta safra. Previsões climáticas não indicam chuvas na região nos próximos dias. Preços subiram e saca é cotada entre R$ 22 a R$ 23 na localidade, porém, produtores estão cautelosos e negócios caminham lentamente.

Por conta da falta de chuvas, os produtores rurais seguem preocupados com as lavouras de milho safrinha na região de Querência. Tendo em vista, que a maior parte das áreas foi cultivada fora da janela ideal de plantio.

De acordo com o presidente do Sindicato Rural do município, Osmar Frizzo, a semeadura do cereal iniciou em fevereiro e se estendeu até março, na qual a cultura está atualmente em fase de pendoamento. “Cerca de 60% foi plantada fora da janela e isso é o nosso maior problema, sendo que as preciptações foram generalizadas até o dia 24 de abril e já estamos praticamente com 15 dias sem chuvas significativas”, ressalta.

Além da baixa umidade no solo, as altas temperaturas também estão afetando o desenvolvimento das plantas. “Nos outros anos, as condições climáticas não eram tão altas e essa temporada o clima está muito quente  e atingindo temperaturas entre 33 º C a 35 º C, que é muito ruim para o milho”, afirma.

A expectativa para este temporada é que a produtividade fique abaixo da média, sendo que em anos que o clima contribuiu o rendimento chegou a 100 sacas do grão por hectare. “Com certeza, nós não vamos conseguir atingir esses patamares nesta safra e não tem previsões de chuvas para os próximos dias”, pontua.

Ainda segundo a liderança, o seguro agrícola não cobre os prejuízos quanto às áreas foram cultivadas fora da janela ideal. “O produtor é um empresário que investe e acredita, mas o seguro na nossa região é algo que tem que ser repensado”, diz.

Comercialização

Em função da estiagem na localidade, os agricultores estão cautelosos para fechar novos negócios. Apesar desse cenário, as referências para o milho subiram e a saca está cotada entre R$ 22,00 a R$ 23,00. “Os produtores estão esperando a colheita para começar a vender, pois realizar novas comercializações pode complicar ainda mais a vida do agricultor”, finaliza.

Assista a entrevista com o Presidente do Sindicato Rural de Querência  Osmar Frizzo... 

FONTE: Notícias Agrícolas/Fernanda Custódio e Andressa

PUBLICIDADE

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE