PUBLICIDADE Supermercado Vendão
PROTESTO

Profissionais da educação de Santa Terezinha realizam manifesto contra “municipalização” de escolas estaduais

Além dos profissionais da educação, o evento contou também com a participação de vereadores e da sociedade em geral.

Eldorado.fm

Redação

03/07/2019 16h33 | Atualizada em 04/07/2019 11h25

Profissionais da educação de Santa Terezinha realizam manifesto contra “municipalização” de escolas estaduais

Reprodução

Os profissionais da rede estadual de ensino realizaram uma grande carreata pelas principais ruas e avenidas de Santa Terezinha, Região Nordeste de Mato Grosso na tarde de quinta-feira, 27 de junho. Além dos profissionais da educação, o evento contou também com a participação de vereadores e da sociedade em geral.  

O protesto é contra as Portarias nº 237 de 18 de abril de 2019 e a Portaria nº 380 de 31 de maio de 2019, que dispõe sobre a Constituição de Comissão para implantação do Redimensionamento/Reordenamento da Rede Pública Estadual de Ensino, em 30 municípios de Mato Grosso e Santa Terezinha consta na lista. 

De acordo a Secretaria de Estado de Educação, através da Superintendência de Gestão Escolar/Coordenadoria de Microplanejamento da Estrutura Escolar - SUGT/CME, o objetivo do e ordenamento da Rede é assegurar o acesso e permanência do aluno/estudante na Educação Básica e melhor aproveitar os espaços públicos escolares e proporcionar um ensino de qualidade voltado para as especificidades da comunidade escolar. 

Após a carreata, os manifestantes se concentraram em frente a Prefeitura Municipal. Alguns profissionais da educação e vereadores tiveram a oportunidade de falarem para os presentes e fizeram alguns esclarecimentos. 

Segundo informações, os trabalhadores da educação ficaram na expectativa de um comunicado oficial por parte da Secretaria Estadual de Educação sobre as medidas que seriam tomadas. Porém, no decorrer dos dias souberam informalmente que o prefeito municipal de Santa Terezinha Euclésio Ferretto, estaria solicitando junto a SEDUC/MT que o ensino fundamental do (1º ao 9º ano) fosse repassado para o município dentro do processo de Redimensionamento/Reordenamento. 

Preocupados com a situação, Diretores das Escolas Estaduais, Coordenadores, Secretários, Assessor Pedagógico, Presidente da Subsede do Sintep e também a Comissão de Educação da Câmara Municipal se reuniram e decidiram criar uma comissão para tratar do assunto. Um ofício foi encaminhado ao Prefeito, solicitando uma reunião com o mesmo para esclarecer o fato e abrir o diálogo. Euclésio não respondeu o documento e nem recebeu a comissão.  

Após a negativa do prefeito, a comissão resolveu então procurar a secretária municipal de educação, Elza da Silva, que confirmou que já havia um diálogo entre Seduc e Prefeitura Municipal sobre o tema e que inclusive um servidor da Seduc havia ligado para ela para confirmar se realmente o município tinha interesse em ficar com a responsabilidade do ensino fundamental do 1º ao 9º ano. 

Com base nas informações obtidas com a secretária de educação, a comissão procurou apoio do Legislativo Municipal e em conversa com o Presidente da Câmara de Vereadores, Admilson dos Santos, o mesmo se dispôs a intervir no caso, solicitando uma reunião dos vereadores com o prefeito para discutirem sobre o assunto. O encontro aconteceu, mas o prefeito se negou novamente em receber a comissão para o diálogo.  

Nesta mesma semana (18/06) houve a sessão ordinária da Câmara de Vereadores, no dia 18 de junho, um grande número de profissionais da educação se fez presente e solicitaram dos parlamentares que se manifestassem contrários as medidas que seriam tomadas pelo prefeito. Todos os vereadores se colocaram a disposição em ajudar na discussão, inclusive se prontificaram a protocolar junto a SEDUC, um documento mostrando a posição contrária ao processo de Redimensionamento/Reordenamento com a rede municipal por parte dos profissionais e da população com assinatura também dos vereadores. 

Um abaixo-assinado foi realizado no município solicitando que a Câmara Municipal intercedesse junto aos órgãos competentes para repudiar o processo de municipalização das escolas estaduais. O documento contou com aproximadamente 500 assinaturas, colhidas na zonas urbana e rural de Santa Terezinha. Alguns vereadores foram até Cuiabá e protocolaram um ofício junto a SEDUC/MT, com manifestação contrária ao processo de Redimensionamento/Reordenamento da Rede Pública Estadual de Ensino em Santa Terezinha. 

De acordo com os manifestantes, a transferência da responsabilidade da educação para o município causaria uma série de consequências drásticas, dentre elas a capacidade de investimentos em que o estado possui muito mais aporte financeiro. “O município mal consegue arcar com as despesas da rede em sua responsabilidade considerando que as escolas municipais sofrem com falta de merenda, ausência de infraestrutura básica, cortes de energia, professores sendo obrigados a comprarem material didático além de muitas outras questões fundamentais”, destaca a classe em nota. 

OUTRO LADO 

Procurado pela reportagem do site www.eldorado.fm na tarde desta quarta-feira, 03 de julho, o prefeito Euclésio Ferreto, por telefone, informou que se encontra em Cuiabá e que irá determinar que sua equipe envie informações sobre o assunto a nossa reportagem. 

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE