PUBLICIDADE Supermercado Vendão
INVESTIMENTO

Educação a Distância amplia polo no Araguaia

Nova opção de ensino chega à região para transformar o sistema pedagógico de cursos de nível superior.

08/08/2018 08h22 303 acessos

Educação a Distância amplia polo no Araguaia

Reprodução

PUBLICIDADE Skynet

Está quase concluída a implantação da primeira matriz de ensino superior totalmente a distância, em Mato Grosso. A novidade chega pela Instituição privada, Faculdade Cathedral, que entra no mercado de modalidade EAD, prometendo qualidade e democratização do Ensino Superior no Vale do Araguaia. Com sede em Barra do Garças, a Cathedral EAD pretende atender o polo regional de ensino, que atualmente conta com cerca de 10 mil acadêmicos.

Antes da iniciativa da Faculdade Cathedral, Mato Grosso contava apenas com unidades de Educação a Distância franqueadas de outros Estados do país. Em Barra do Garças, por exemplo, há mais de 12 anos que a EAD funciona com os polos da Anhanguera Educacional (sede em Valinhos - SP), da Universidade Paulista - Unip (sede em São Paulo - SP) e Universidade Norte do Paraná - Unopar (sede em Londrina - PR). 

A primeira Instituição totalmente mato-grossense a implantar essa modalidade, começa por instalar unidades em toda a faixa Leste do Estado, com prospecção de ingressar também em cidades dos Estados de Goiás, Tocantins, dentre outros. Mais de 30 empresários interessados em adquirir franquias já estão sendo avaliados pelo Departamento de Expansão da Faculdade Cathedral, criado para estruturar a implantação dos polos.

Além da atuação planejada para outras regiões do país, a Cathedral negocia polos até no exterior, em áreas em que a presença de brasileiros é marcante. O diretor Executivo da Instituição, o advogado Sandro Luís Costa Saggin, confirma os contatos iniciais com investidores interessados em franquear a EAD em Londres e no interior da Alemanha.

“Neste momento a prioridade é o Vale do Araguaia. A primeira leva de franquias vai se estender por todo Norte Araguaia. A ideia é atender de Nova Xavantina (localizada a 661 km Cuiabá) até Vila Rica (localizada a 1.273 km de Cuiabá, ao norte do Estado, na fronteira com o sul do Pará)”, destaca o diretor Executivo.

Segundo Sandro, a modalidade EAD da Faculdade Cathedral, deve se expandir gradativamente e a intenção é iniciar as atividades a partir do segundo semestre deste ano, com cerca de 30 polos na primeira etapa de instalação. O Ministério da Educação (MEC) permite que Instituições como a Faculdade Cathedral, com Conceito Institucional (CI) 4, contemple a abertura de até 150 unidades ao ano. O CI é uma avaliação que o MEC faz em uma visita realizada às instalações da instituição, auferindo resultados em uma escala que vai de 1 a 5.

Se antes Barra do Garças já atraia pessoas de toda a região do Araguaia, devido a oferta de cursos de nível superior, agora o polo educacional passa a irradiar unidades nesse mesmo território, com cursos pensados para atender o mercado de trabalho local. A EAD mato-grossense vai lançar como carro chefe, o curso de Agronegócio, na intenção de suprir a demanda existente de profissionais capacitados no campo. Os outros três cursos que estão em processo de autorização junto ao MEC, são os cursos de Recursos Humanos, Marketing e Estética e Cosmética.

Apesar de não ser possível precisar o número de vagas que serão ofertadas a partir da autorização dos cursos EAD, a Faculdade Cathedral planeja, está estruturada e tem capacidade e qualidade para atender até mil alunos em cada curso. Afinal, a oferta tem a sua disposição uma demanda crescente, sobretudo no Centro-Oeste. A região registrou, em 2016, a segunda maior procura pela modalidade, perdendo apenas para a região Norte, segundo o Censo da Educação Superior.

De acordo com Sandro Saggin, é fácil prever impactos sociais a partir da implantação da primeira matriz de Educação a Distância do Estado. Isso porque o aumento da capacitação de diversos segmentos profissionais no Leste mato-grossense deve impulsionar uma cadeia de mudanças, entre as quais, o aumento da renda de famílias e o consequente fortalecimento da economia na Região do Vale do Araguaia.

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 

DEMOCRATIZA ENSINO SUPERIOR 

No Leste de Mato Grosso ou em qualquer polo de ensino do país, a Educação a Distância diversifica a população que ingressa em cursos de nível superior. Se antes o universitário era o adolescente, recém-formado no nível médio, com condições para manter-se em uma universidade, hoje, pais e mães de família, assim como pessoas de menor renda, começam a mudar as feições desse perfil. A expectativa é que a oferta de EAD em um território ainda pouco coberto por este método de ensino, como é a região mato-grossense do Araguaia, oportunize o acesso de todas as classes à educação de qualidade.

As mensalidades dos cursos de Educação a Distância no Brasil chegam a ser 60% menores, segundo pesquisas, porque a quantidade de alunos que a modalidade pode agregar dilui os custos de sua oferta. Se uma sala de aula presencial comporta uma turma de 45 alunos por turno, o ambiente virtual da modalidade a distância pode ser oferecido a centenas. Além da oferta quase ilimitada, a EAD dispensa alguns custos com estrutura física e material, já que o conteúdo é digital.

O valor das mensalidades foi uma das razões que fizeram Andrreia Kowaleski, 33 anos, trocar de modalidade de ensino. Ela deixou o curso de Tecnologia em Estética e Cosmética nas Faculdades Unidas do Vale do Araguaia (Univar) e se matriculou em Tecnologia em Embelezamento e Imagem Pessoal, na modalidade EAD, na Anhanguera. A estudante conseguiu eliminar um ano no curso a distância porque já tinha cursado algumas disciplinas presencialmente.

Andrreia comenta que o choque de horários entre faculdade e trabalho foi determinante na escolha. Mãe de Pedro Henrique, 14 anos, e Yasmim de 10, ela revela que hoje lhe sobra tempo para cuidar dos filhos e até fazer cursos de aperfeiçoamento: “tenho mais tempo para me dedicar a outras coisas. Você acaba tendo aquele conforto de poder estudar em casa ou em qualquer lugar”, diz a acadêmica residente em Barra do Garças. Ela trabalha em um escritório e mesmo assim lhe “sobra um tempinho para dedicar aos estudos”.

“Favorecer o público que não tem condições de frequentar uma sala de aula presencial, é uma das marcas da EAD”, segundo disse a professora Karine Peixoto, Doutora em biodiversidade e conservação, que coordena o Núcleo de Educação a Distância da Faculdade Cathedral. Ela explica que essa modalidade de ensino favorece aquelas pessoas que estão sujeitas a uma carga de trabalho excessiva, restando-lhes pouco tempo para os estudos. A coordenadora lembra que não há cursos exclusivamente vespertinos em nenhuma instituição da região: “se o único período que o ingressante tiver para estudar for o vespertino, as possibilidades de realizar o tão sonhado curso de graduação se reduzem a zero”.

Essa flexibilidade em local e em tempo de estudo, também está possibilitando as populações de regiões mais isoladas geograficamente, ingressarem no Ensino Superior. A disposição de uma sala virtual acessível a qualquer momento e em qualquer lugar, por meio de um computador ou smartphone, tem feito a EAD ser aceita e procurada em localidades não cobertas por instituições físicas de ensino. Essa tecnologia beneficia principalmente as regiões onde não há ensino superior presencial.

O Norte e o Centro-Oeste registraram as maiores procuras por EAD em 2016, o que pode ser explicado, em parte, pela dimensão populacional e territorial. As duas regiões são as maiores do país em território, porém com as menores densidades demográficas, segundo o IBGE. Isso significa pequenos pontos de agrupamento populacional espalhados por extensas áreas.

Paralelamente, as duas regiões também são as que possuem menor número de instituições de Ensino Superior. O Norte tem 156, muito distante do número registrado pela região Sul (405, segundo censo de 2016). Já o Centro-Oeste conta com 240, a metade do Nordeste (com 480). A região que se sobressai em relação a esse índice, é a Sudeste, com 1.126 instituições, entre faculdades, universidades, centros universitários e institutos, públicos e privados.

Embora, Norte e Centro-Oeste ainda registrem os menores números em quantidade de polos de Educação a Distância, vê-se o protagonismo da modalidade para a democratização do ensino superior em ambas as regiões. “A dimensão do Brasil é continental, tudo é muito longe. Só no Vale do Araguaia mato-grossense nós temos cidades separadas por mais de 1200 km. A EAD vem para reduzir essas distâncias”, observa o diretor Sandro.

Longe e de difícil trânsito. Entre Alto Taquari e Vila Rica, as duas pontas do Leste de Mato Grosso (1.229 km pela principal rota), ainda há muitos trechos sem pavimentação. A distância e a falta de infraestrutura são uns dos fatores que dificultam o acesso dos habitantes do Araguaia ao polo educacional de Barra do Garças. Somado ao baixo desenvolvimento econômico da região, segundo Sandro, as famílias não têm condições de frequentarem diariamente as universidades presenciais ou se mudarem para o município de referência.

“A Educação a Distância é a democratização do ensino, é o acesso a todos. Esse é o maior ganho que a população terá com a implantação da EAD Cathedral”, afirma o diretor. 

O discurso está alinhado com a tendência mundial, em incentivar a implantação da tecnologia de Educação a Distância. No Brasil, por exemplo, 20% da matriz curricular dos cursos de graduação presenciais pode ser ofertada na modalidade de EAD, modelo já aderido pela Cathedral. Essa é a confirmação de que a modalidade tem apresentado bons resultados em ensino, que não fica atrás da forma presencial de estudo.

FONTE: Semana 7

PUBLICIDADE

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE